Skip Ribbon Commands Skip to main content

Protecção do Ambiente de A-Z

Trodat Umweltschutz A-Z

 

O tema da protecção do ambiente possui muitos termos técnicos. Compilámos aqui os mais importantes para si:

 

 

CLIMATE PARTNER

Climate Partner é uma empresa independente, que realiza consultoria em protecção climática para várias empresas e ONG. Entre outras coisas, a Climate Partner calcula as emissões de CO2 de produtos ou o balanço dos gases de efeito de estufa de empresas.
No cálculo das emissões de CO2, não só são examinados os custos directos para a produção, como também os custos dos fornecedores de peças dos produtos e matérias-primas. A ClimatePartner tem como objectivo determinar todos os valores em consonância com o estado actual da investigação científica.

 

EMISSÕES DE CO2

Por emissão de CO2 entende-se a quantidade do gás do efeito de estufa CO2 gerado por uma pessoa, um agregado familiar ou pela produção de um produto, incluindo toda a cadeia de valor acrescentado. Todos nós deixamos marcas quotidianas no nosso percurso – independentemente daquilo que fazemos, quase tudo consome energia, produzindo, desta forma, CO2.


Nenhum produto do mundo pode ser criado sem deixar uma pegada de CO2. Por isso, também se consome energia para a produção do Original Printy 4.0. No entanto, a Trodat poupa recursos valiosos e até 49%* de CO2, porque até 65%* de plástico reciclado pós-consumo é utilizado durante a produção. Os resíduos inevitáveis da produção de CO2 são compensados através do investimento da Trodat em projectos de protecção climática recomendados pela WWF®.
*Válido para as cores Eco-preto e Eco-cinza, nas outras cores a participação é reduzida.

 

Margem do sistema

Para poder calcular a emissão de CO2 de um produto, primeiro tem de ser determinado em que ponto da cadeia de produção se começa a calcular – também contam a produção das matérias-primas e o seu transporte?
Uma forma corrente de olhar para o ciclo da vida é "cradle to gate" – tudo desde o início do processo até ao portão da fábrica. Desta forma, a produção das matérias-primas conta para a pegada, como também o transporte das matérias-primas para a fábrica, a produção no local e o transporte do produto acabado até ao armazém.

 

Os cálculos foram realizados, na medida do possível, com dados fundamentais da Trodat numa base anual e informações do fabricante. Na última fase, foram utilizados dados secundários de bases de dados conhecidas, como por exemplo, Ecoinvent

  

Cálculo

Actualmente, não existe uma norma legalmente vinculativa para a determinação das emissões de CO2. A ClimatePartner apoia-se nos cálculos do Protocolo dos Gases de Efeito de Estufa reconhecido internacionalmente, que segue os seguintes princípios:

 

  • Relevance (aplicabilidade e/ou importância): no cálculo deve distinguir-se entre fontes de emissões essenciais e restantes relevantes para as decisões e/ou para empresa considerada em situação concreta.
  • Completeness (integralidade): as fontes de emissões classificadas como essenciais devem ser claramente definidas.
  • Consistency (consistência): os métodos escolhidos devem ser mantidos por princípio.
  • Transparency (transparência): os dados e métodos utilizados, bem como as suposições tomadas devem ser tratados de forma clara e transparente.
  • Accuracy (exactidão): o cálculo deve ser realizado de forma que conduza a um resultado suficientemente exacto. 

 

comércio de emissÕES

No âmbito do Protocolo de Quioto definiu-se também a possibilidade do comércio legal de emissões. O objectivo do comércio é reduzir as emissões globais o mais rapidamente possível e de forma económica e vantajosa.


As empresas que originam uma grande quantidade de emissões de CO2, podem comprar certificados de emissões. Desta forma, financiam projectos de protecção climática em países em vias de desenvolvimento e países emergentes. Esta táctica tem duas vantagens: as emissões são compensadas e os países em vias de desenvolvimento beneficiam da transferência de tecnologia.


É evidente, que o comércio de emissões não isenta da obrigação ética de reduzir as emissões de CO2, por princípio. Por isso, aplica-se a política da empresa de evitar emissões sempre que possível; reduzir emissões inevitáveis – e só compensar na última etapa.

 


PROJECTOS "Gold Standard"

Os projectos que as empresas podem apoiar no âmbito do comércio de emissões podem ser ainda mais restritos: os Projectos "Gold Standard" não têm apenas o objectivo da compensação de emissões, mas também promovem os países participantes.

 

Os Projectos "Gold Standard" têm de trabalhar na área das energias renováveis e eficiência energética. Além disso, são auditados de forma mais rigorosa do que em projectos normais. E ainda, nos Projectos "Gold Standard" também são seguidos critérios sociais. A WWF® apoia apenas Projectos "Gold Standard".

 

 

neutraliDADE CLIMÁTICA

Um produto é neutro para o clima se não alterar o balanço de CO2 da atmosfera, se ele não causar emissões (muito raro) ou se a pegada de CO2 do produto for neutralizada por medidas de compensação no ambiente.

 

Os gases de efeito de estufa, como o CO2, têm efeitos no clima global – os seus danos não se limitam ao país de origem. Por isso, também as contramedidas não têm obrigatoriamente de ocorrer no país de origem. Os efeitos climáticos do local A também podem ser neutralizados no local B. Assim, onde as emissões de CO2 não podem ser mais reduzidas, existe a possibilidade de investir em projectos de protecção climática para compensar os danos. 

 

A Trodat investigou a cadeia de produção de forma muito próxima para determinar se o CO2 pode ser poupado. A Trodat compensa as inevitáveis emissões de CO2 com investimentos em projectos climáticos "Gold Standard" recomendados pela WWF® – estes devem cumprir condições rigorosas. Entre outros, não são apoiados projectos em países industrializados, mas apenas aqueles em países do "hemisfério sul", que de outra forma não podiam ser realizados.

 

 

PLÁSTICO RECICLADO PÓS-consumO

PLÁSTICO RECICLADO PÓS-COONSUMOCaixas de computadores antigos, portas de frigoríficos, invólucros de telemóveis – muitas peças de plástico podem ser recolhidas e reprocessadas. A directiva da União Europeia para Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos (REEE) recomenda a diminuição das montanhas de lixo e que as emissões de CO2 de plásticos reciclados sejam menores do que em plásticos recentemente fabricados.


Porque a Trodat utiliza até 65%* de plástico reciclado pós-consumo para o Original Printy 4.0,  não só são poupados valiosos recursos durante a produção, como também até 49%* de CO2.

 

*) ECO-preto e ECO-cinza. Participação reduzida de outras cores.